sábado, 1 de julho de 2017

Escrava sexual do Estado Islâmico é forçada a comer o próprio filho

Uma mulher refém do Estado Islâmico foi forçada a servir como escrava sexual e obrigada a comer o próprio filho. Alega-se que ela e a criança, de apenas um ano, tenham sido sequestradas pelo grupo no Iraque e durante três dias foram deixadas sem água e comida. Então, após este jejum, os radicais teriam matado a criança, cozinhado seu corpo e servido para a mãe com arroz. 

escrava-sexual
A mulher, de origem yazidi, faz parte de uma minoria curda, que há muito vem sofrendo diversas atrocidades praticadas pelo grupo de radicais islâmicos. O Estado Islâmico considera que os yazidis são “adoradores do diabo”, uma vez que não são árabes nem muçulmanos, portanto, são considerados minorias no Iraque.

A jornalista Vian Dakhil, de um canal de TV egípcio, que descreveu o ataque em seu programa, foi às lágrimas com o relato.

“Uma das mulheres que conseguimos recuperar do ISIS disse que foi mantida em uma adega por três dias sem comida ou água. Depois, trouxeram um prato de arroz e carne. Ela comeu a comida porque estava com muita fome. Quando terminou, disseram que haviam cozinhado seu filho de um ano de idade“.

Dakhil utiliza seu programa para ajudar a denunciar os crimes cometidos pelo grupo. Em outro relato, ela apresentou o caso de um grupo de seis meninas que havia saído para acampar. Destas, uma das mais novas, de apenas 10 anos, foi capturada pelo grupo e “estuprada até à morte” na frente de sua própria família. [ The Independent ] [ Foto: Reprodução / The Independent ] http://www.jornalciencia.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário