terça-feira, 30 de julho de 2019

Reforma Tributária é necessária para aumentar investimentos e diminuir burocracia, diz especialista

Brasil é um dos países onde mais se paga impostos e menos se recebe em contrapartida, de acordo com IBPT
Especialista e coordenador Tributário do Complexo Educacional Damásio de Jesus, Caio Bartine (Foto)
O Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT) divulgou, recentemente, estudo destacando que entre os 30 países que possuem a maior carga tributária, o Brasil é o lanterna quando o assunto é o retorno em serviços para a sociedade.

No ranking divulgado pelo instituto, a Irlanda é apontada como o país que mais tem retorno sobre o imposto pago, e uma carga de 23%, seguida pela Austrália (com arrecadação de 28%) e Suíça (29%). Com uma carga maior que muitos países desenvolvidos (35%), o Brasil só perde para Cuba entre as nações que mais pagam impostos na América Latina. Trata-se da 15ª carga tributária mais alta do mundo.

Com os avanços na discussão da Reforma Tributária, na Câmara e no Senado, vislumbra-se por parte do Governo um melhor aproveitamento de recursos e uma menor burocracia no país. Segundo o especialista e coordenador Tributário do Complexo Educacional Damásio de Jesus, Caio Bartine, a Reforma Tributária deverá simplificar o cumprimento de obrigações e, aos poucos, a diminuição da carga tributária. "Nesse momento, não creio na redução significativa de gastos".

O especialista reforça os problemas oriundos da burocracia tributária em nosso país. "De acordo com a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) nós gastamos 2.600 horas por ano para cumprimento de obrigações de natureza administrativa. O empresário brasileiro, além da alta carga tributária, fica travado nessa burocracia, impedindo a capacidade de investimento". Bartine conclui que que a simplificação de impostos deverá contribuir para aumentar contratações e geração de renda. "Há pontos a serem ajustados, mas a reforma precisa ocorrer".

Nenhum comentário:

Postar um comentário