quinta-feira, 29 de março de 2018

Incêndio durante tentativa de fuga deixa 68 mortos em prisão na Venezuela

Incidente ocorreu após rebelião na sede da polícia regional na cidade de Valência.
Esse é o segundo incidente mais grave da história prisional do país
Parente de detento preso no comando-geral da polícia de Carabobo, na Venezuela, se desespera enquanto espera notícias sobre rebelião na cadeia - Carlos Garcia Rawlins/Reuters
Pelo menos 68 pessoas, entre elas 10 mulheres, morreram em um incêndio depois de uma rebelião que ocorreu nas celas da polícia regional do Estado de Carabobo, localizada na cidade de Valência, a duas horas de Caracas, na região central da Venezuela. Inicialmente, as autoridades chegaram a confirmar que o incêndio deixara 78 mortos, mas a informação foi corrigida posteriormente. 

Embora as autoridades estaduais e nacionais não tenham se manifestado, especialistas na questão prisional concordam que se trata de um dos acidentes mais graves da história penal do país. Especificamente o segundo, depois do incêndio na prisão de Sabaneta, também após uma rebelião, há mais de 20 anos. O silêncio oficial gerou confusão em torno do número final de vítimas.

A prisão de PoliCarabobo, a sede da polícia regional, como todos os centros prisionais do país, apresenta níveis significativos de superlotação. A rebelião aconteceu durante o dia de visitas íntimas. Segundo as informações, os presos teriam capturado um dos soldados de vigilância e tentado tomá-lo como refém, ferindo-o com uma faca. Um dos líderes da rebelião exigiu certas condições das autoridades como requisito para libertá-lo, ameaçando a custódia com uma granada. Como as autoridades não responderam às reivindicações, os internos começaram a queimar colchões para intensificar o protesto. Essa circunstância desencadeou a tragédia.

Como todos os centros prisionais do país, a prisão apresentava níveis significativos de superlotação. 

A rebelião aconteceu durante o dia de visitas íntimas
Os bombeiros e a polícia trabalharam arduamente para abrir buracos nas paredes, que aliviaram a concentração de fumaça e permitiram a saída de outros prisioneiros. O desespero reinava nos arredores do edifício entre os parentes dos presos presentes à visita. Os sobreviventes — sufocados, convalescentes, prestes a desmaiar — foram colocados nos pátios internos. Há um número indeterminado de feridos. Bombeiros dos municípios de Valência e San Diego lutam ativamente contra o fogo. A maioria das vítimas, segundo relatos, morreu por asfixia. EL PAÍS Brasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário