quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

Abuso e morte de crianças nas mãos do Boko Haram voltam a assombrar a Nigéria

Do UOL, em São Paulo**Afolabi Sotunde/Reuters
Parentes das meninas sequestradas em um colégio de Dapchi, no noroeste do Estado de Yobe, reagem às notícias

O grupo terrorista nigeriano Boko Haram sequestrou 110 estudantes de um colégio feminino de ensino médio na cidade de Dapchi, no noroeste do país, no último dia 19, de acordo com informações do governo da Nigéria. O atentado aconteceu após quatro anos do sequestro de 276 garotas em uma escola em Chibok que chocou o mundo em 2014.

É impossível contar com precisão as meninas ainda detidas pelo Boko Haram, cujo nome significa "a educação ocidental é um pecado", porque algumas podem ter sido assassinadas ou morreram em cativeiro.

O ministro nigeriano Lai Mohammed confirmou que 110 das 906 estudantes estavam desaparecidas após o ataque terrorista deste mês. O Boko Haram ainda não reivindicou o sequestro das meninas, mas informações de testemunhas apontam que o modus operandi do ataque se assemelha ao do grupo.

Autoridades e famílias temem que as meninas levadas sejam obrigadas a se casarem com os líderes extremistas como aconteceu em 2014. Na época, após o sequestro das 276 garotas, o Boko Haram divulgou um vídeo em que o líder do grupo afirmava que as meninas sequestradas seriam feitas de escravas sexuais e vendidas como esposas em mercados na fronteira do país com Chade e Camarões. No vídeo, o líder também dizia que a educação ocidental deveria parar e que as meninas deveriam deixar as escolas e se casarem. Leia mais em: https://noticias.bol.uol.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário