terça-feira, 30 de janeiro de 2018

Delegado é preso por receber propina de traficantes

O delegado da Polícia Civil Max Dias Lemos, que atua em Matinhos, no litoral do Paraná, é suspeito de receber R$ 50 mil para libertar dois traficantes da prisão, de acordo com o Ministério Público (MP). Ele foi preso na manhã desta segunda-feira (29), durante a Operação Atrox. Informação do G1 PR.

“O representado Max Lemos Dias manipulou o inquérito policial em proveito próprio pois recebeu a quantia de R$ 50.000,00 (cinquenta mil reais) (…) para desfazer a lavratura do auto de prisão em flagrante e liberá-los”, diz trecho do despacho que autorizou a prisão do delegado.

Além dele, outras três pessoas foram presas na operação, que foi coordenada pelo MP de Ibaiti, no norte do Paraná. Entre os presos, estão os que foram anteriormente liberados por Max, conforme a promotoria.

Crime praticado de ‘maneira reiterada’
A promotoria argumenta, ainda, que esse não é o primeiro caso do tipo envolvendo Max. Conforme o MP, o delegado também é suspeito de receber R$ 39 mil para permitir que um investigado responda em liberdade a um inquérito que investiga uma morte na região.

“(…) verifica-se que o representado está sendo investigado por crime da mesma natureza do ora analisado, em situações sem qualquer vínculo e com o envolvimento de pessoas diversas, demonstrando que o crime poderia ser praticado de maneira reiterada e não meramente casual”, diz trecho do despacho.

Por isso, para a juíza que assina o despacho, Fabiana Ferrari, a prisão do delegado é necessária “para garantir a ordem pública ante a possibilidade concreta de reiteração delitiva”.

No despacho, ainda é lembrado o fato de Max ter usado uma viatura da polícia, descaracterizada, enquanto estava de férias.

O advogado de Max, Miguelângelo Lemos disse que, por enquanto, a defesa não vai se posicionar sobre o assunto. “Não tivemos acesso aos autos, mas já solicitamos. O nosso pedido está em trâmite. Por isso, preferimos não nos manifestar no momento”, explica.

O delegado deve responder por corrupção passiva majorada e por falsificação de documento público.

A Polícia Civil disse que vai instaurar um processo administrativo pela Corregedoria Geral da Polícia Civil (Cgpc), para apurar a conduta do servidor.

Além dos quatro mandados de prisão preventiva, outros nove mandados de busca e apreensão foram cumpridos nesta manhã no Paraná: em Ibaiti e em Londrina, no norte; em Matinhos, no litoral; e em Telêmaco Borba, nos Campos Gerais.

Os outros três presos devem responder por tráfico interestadual de drogas, associação para o tráfico e corrupção ativa majorada, conforme o MP.

Nenhum comentário:

Postar um comentário