quinta-feira, 20 de julho de 2017

Nos EUA, ministro da Justiça defende Lava Jato e diz que operação é "imparável"

Por iG São Paulo * 
Torquato Jardim está em visita aos Estados Unidos, participando de diferentes eventos oficiais. Ele falou sobre a Lava Jato, armas roubadas e acordos entre países membros da OEA para melhor segurança de fronteiras
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil - 5.6.2017
Ministro da Justiça tem histórico de críticas às ações da Operação Lava Jato, mas afirmou que "é imparável" e "bem social"

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Torquato Jardim , está em Washington, nos Estados Unidos, onde participou de uma palestra no Woodrow Wilson Center, nesta quarta-feira (19), sobre a Independência e Harmonia entre os Poderes. No evento, defendeu a Lava Jato, afirmando que a operação é “imparável”.

Durante o evento, o ministro de Justiça ainda afirmou que a Lava Jato, realizada pela Polícia Federal do Brasil, é um “ganho para a sociedade”. Além da operação, Jardim abordou sobre as divisões de competências e de recursos nos âmbitos federal e estadual no País, ainda defendendo que “com a atual restrição fiscal em todos os níveis do governo, muitas vezes é preciso priorizar uma ou outra política pública”. 

Na terça-feira (18), Jardim assinou um acordo de cooperação para o rastreamento de armas roubadas que entram no Brasil durante um encontro com o diretor da Agência de Álcool, Tabaco, Armas de Fogo e Explosivos dos Estados Unidos.

“Com a pacificação da Colômbia, armas pesadíssimas roubadas nos Estados Unidos começam a entrar no Brasil, e, pela lei americana, eles têm a obrigação de tentar encontrar essa arma onde ela estiver no mundo. Faz parte do objetivo maior da nossa viagem buscar tecnologia no âmbito de segurança pública”, explicou.

O político brasileiro ainda irá participar de reuniões na Agência Internacional para Narcóticos e Aplicação da Lei, do Departamento de Estado dos EUA, e com o secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, com quem conversará sobre a integração com os países que fazem fronteira com o Brasil. 

“Faremos um convite para que os países membros [da OEA] mandem agentes de segurança e policiais especializados no combate a drogas e armas para estudar no País, participando de um treinamento na Polícia Federal, que tem uma academia bem instalada e competente, para que haja uma comunhão de treinamento”, afirmou Jardim.

O ministro da Justiça também pode se encontrar com o secretário de Justiça norte-americano, Jeff Sessions. No encontro, os dois devem abordar a questão da integração dos órgãos do Ministério da Justiça: Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Secretaria Nacional de Segurança Pública [responsável pela gestão da Força Nacional], Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas e Departamento Penitenciário Nacional. “Antes de pensar em concurso público e em contratar mais funcionários, vamos pensar em integrar a todos”, disse o ministro da Justiça.  *As informações são da Agência Brasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário