domingo, 9 de julho de 2017

Celular sem bateria funciona com sinais de rádio

Cientistas americanos desenvolveram um celular que funciona sem bateria. O aparelho colhe o que precisa para funcionar a partir de sinais de rádio e luz e é capaz de fazer chamadas de voz usando componentes disponíveis na maioria das lojas de eletrônicos.

“Nós construímos o que acreditamos que é o primeiro celular que consome energia quase zero“, diz um dos pesquisadores, Shyam Gollakota, da Universidade de Washington.

“Para alcançar um consumo de energia muito baixo, você precisa executar um telefone coletando energia do meio ambiente, devemos repensar fundamentalmente como esses dispositivos foram projetados”.

O que isso significava era acabar com uma das etapas fundamentais em como as transmissões celulares convencionais são realizadas: a conversão no local de sinais analógicos captados pelo microfone do seu telefone em dados digitais transmitidos pela rede móvel.

Essa conversão é o que torna possíveis as chamadas de voz entre torres celulares e seu aparelho, mas também requer uma quantidade considerável de energia – aproximadamente 800 miliwatts ao fazer uma chamada.

No lugar da conversão, o dispositivo mantém tudo análogo, registrando pequenas vibrações do microfone durante uma chamada e usando uma técnica chamada retrodifusão para transmitir os sinais para uma estação base próxima, operando a vários metros de distância.

O que isso significa é que, enquanto o celular é um dispositivo móvel, você precisa estar relativamente próximo da estação base para que ele funcione, uma vez que não se comunica com torres celulares regulares – mas isso é algo que pode mudar no futuro, sugerem os pesquisadores.

“Você poderia imaginar no futuro que todas as torres de celulares ou roteadores Wi-Fi poderiam vir com nossa tecnologia de estação base incorporada nele“, disse um dos cientistas. “E se cada casa tiver um roteador Wi-Fi, você poderia obter uma cobertura de celular sem bateria em todos os lugares”.

Embora a ideia possa parecer nova, ela realmente retorna a usos muito mais antigos da tecnologia de rádio. A equipe se inspirou em um incidente durante a Guerra Fria, quando os soviéticos examinaram uma escultura do Grande Selo dos Estados Unidos com um dispositivo de escuta sem bateria semelhante.

“Meu pai era um espião na Guerra Fria, então eu ouvi histórias sobre o erro do Grande Selo quando eu era criança“, disse um dos pesquisadores, Joshua Smith. Os resultados são relatados em Proceedings of the ACM on Interactive, Mobile, Wearable and Ubiquitous Technologies. [ Science Alert ] [ Fotos: Reprodução / Science Alert ]

Nenhum comentário:

Postar um comentário