domingo, 25 de junho de 2017

Um terremoto realmente poderoso poderia dividir a Terra ao meio?

Uma pergunta interessante surgiu em uma discussão sobre os terremotos recentemente. Algum terremoto poderia ser suficientemente poderoso para quebrar o planeta, ou mesmo dividi-lo completamente? Esta é uma questão surpreendentemente difícil de responder, mas vamos dar uma olhada na Ciência para ver quão possível este tipo de apocalipse realmente é.

Em primeiro lugar, vamos lembrar-nos o que causa um terremoto e quão ridiculamente enérgicos são os piores. Há tantas maneiras diferentes de ter terremotos – mesmo a atração gravitacional da Lua pode desencadear, mas por uma questão de simplicidade, é preciso começar com as causas mais comuns por enquanto.

Existe a rede de falhas como o complexo de San Andreas, que se formou no ponto em que a Placa do Pacífico está se movendo para o norte em relação à Placa da América do Norte. Este tipo de margem tectônica é chamado de limite de “transformação” e tende a produzir terremotos muito rasos e prejudiciais.

Então você tem dois pratos a colidir. Nestes limites “convergentes”, uma das duas coisas acontece: a placa mais densa afunda sob a outra e se destrói no manto ou ambas se esmagam e se levantam para formar uma cordilheira

No caso do primeiro, vão acontecer terremotos profundamente arraigados, e em termos do último, eles estão em profundidades medianas para rasas. Com algumas exceções, é assim que os terremotos são gerados na Terra, então, como eles podem obter?

Aqui estão os cinco maiores terremotos mais importantes registrados, em ordem crescente:

5 – Kamchatka, União Soviética: em uma falha convergente ao longo da trincheira Kuril-Kamchatka. Criou um tsunami devastador, e mais de 2.300 pessoas morreram.

4 – Região de Tohoku, ao largo da costa leste do Japão: em uma falha convergente ao longo do limite do Pacífico Ocidental entre as placas norte-americanas e pacíficas. O tsunami foi um dos mais mortíferos da história humana, matando até 20 mil pessoas. LEIA TUDO AQUI

Nenhum comentário:

Postar um comentário