sexta-feira, 29 de julho de 2016

Brasileira é impedida de entrar em Israel após tentar fazer estudo na Palestina

A pesquisadora brasileira, Moara Crivelente, foi impedida de entrar em Israel no último domingo (24). De acordo com autoridades israelenses, ela está proibida de ingressar no país pelos próximos 10 anos. Moara faz doutorado na Universidade de Coimbra, em Portugal. 
Ela chegou a Tel Aviv, capital de Israel, à meia noite de domingo, e ficaria na cidade apenas de passagem. Seu destino era a cidade de Ramallah, na Palestina, que está ocupada, onde ficaria por cerca de 20 dias para iniciar uma pesquisa. No entanto, a pesquisadora relatou à Agência Brasil que, no aeroporto, foi informada por agentes de segurança israelense que seria deportada. “Logo no início, uma dupla do serviço de segurança me informou que eles já haviam decidido que eu seria deportada. Que eles sabiam que eu havia, em visitas anteriores à Palestina, participado de protestos contra a ocupação. Os soldados haviam tirado fotos dos protestos e haviam me identificado. Disseram que isso era muito, muito grave”, conta Moara. Moara se mudou este ano para Portugal e integra o Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (Cebrapaz), organização civil contrária à ocupação da Palestina por Israel. Ela contou à reportagem que já esteve em protestos contra a ocupação para escrever sobre essas manifestações. A pesquisadora disse que no aeroporto foi submetida a revistas e interrogatórios e que o serviço de imigração de Israel chegou a propor uma negociação: “Disseram que, se eu cooperasse, eles repensariam a decisão. A cooperação significava passar contatos de palestinos, informações sobre cada lugar em que eu estive na Palestina e a senha do meu celular. Eu imagino que para tentar pegar contatos de palestinos. Eu me recusei e disseram que só me restava esperar”. Moara esteve na Palestina em ocasiões anteriores para pesquisar sobre a cobertura da mídia da questão palestina. Depois de sair do aeroporto, a brasileira foi encaminhada para um centro de detenção de imigração. “Fiquei trancada em um quarto com cinco beliches e um banheiro. Eles traziam comida e nos deixaram sair até o pátio por 10 minutos. Enquanto estive lá, eles nos deixaram sair duas vezes”, descreveu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário