quarta-feira, 30 de julho de 2014

Casos de pneumonia cresce e é a maior causa de internação em todo país nesta época do ano

A pneumonia é a maior causa de internação do Brasil nessa época do ano. Grupos de risco como crianças e idosos, devem ficar atentos. No inverno, o risco de contaminação por doenças que comprometem o sistema respiratório fica maior, por isso é necessário cuidado, principalmente em relação à gripe e à pneumonia. As baixas temperaturas podem ocasionar um resfriado, que quando não é cuidado corretamente, pode acarretar uma pneumonia. O apresentador Jô Soares foi internado no hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, na última sexta-feira (25), com princípio de pneumonia. De acordo com uma produtora do programa, o apresentador passa bem e deve receber alta até o final desta semana. Quando é diagnosticada uma gripe, por se tratar de uma doença mais comum, não é causado tanto temor. Já o diagnóstico da pneumonia pode assustar, porque elas são, de fato, doenças diferentes em vários aspectos e requerem mais atenção. Ao todo, 14 pessoas são internadas por hora em São Paulo com suspeita de pneumonia. A gripe é uma doença aguda que acomete as vias respiratórias, causada pelo vírus influenza, altamente contagiosa. Os sintomas são febre acima de 38°c, tosse, catarro, dores pelo corpo e mal-estar generalizado. Os efeitos da doença costumam durar mais ou menos 7 dias. Para tratá-la, bastam remédios para aliviar os sintomas e aguardar a reação do próprio organismo, que se encarregará de eliminar o vírus. Já a pneumonia se caracteriza como uma infecção nos pulmões, podendo afetar a região dos alvéolos pulmonares e, às vezes, os interstícios. Pode ser causada por vírus, bactéria, fungos e reações alérgicas. Os sintomas são os mesmos da gripe, e também falta de ar, pressão baixa e até desmaios. Geralmente são mais duradouros do que os da gripe. a pessoa com tal infecção nos pulmões não infecta as outras facilmente e são necessários antibióticos para combater a doença. Para se prevenir contra a pneumonia e evitar fatalidades, o Drº Ricardo Teixeira, membro da sociedade paulista de pneumologia e tisiologia (SPPT), aconselha evitar infecções respiratórias virais, principalmente no outono e inverno, vacinação pneumocócica para crianças com menos de dois anos, para maiores de 60 anos, e em pacientes imunossuprimidos, esplenectomizados e portadores de doenças pulmonares crônicas; cuidado com a broncoaspiração de pessoas com dificuldade de deglutição; manutenção adequada de ar condicionado (principalmente em instituição de saúde, para evitar infecção por germes atípicos) e procurar serviço médico com sintomas como tosse produtiva, falta de ar, dor torácica (que piora com a respiração) e febre. A pneumonia afeta cerca de 2,1 milhões de brasileiros todos os anos, segundo dados do Datasus. Esta doença é a principal causa de internação hospitalar (mais de 960 mil casos por ano) e a quinta causa de morte no brasil. Dados da OMS demonstram que a pneumonia é responsável por 18% das mortes em crianças menores de cinco anos e 99% desses casos são registrados em países em desenvolvimento. Outro grupo de risco é o dos idosos, que tem as defesas locais mais lentas e por isso a doença pode ser até fatal se não tratada. Dos 24.756 óbitos por pneumonia registrados no último levantamento do SUS (2005), 70% eram de pacientes com mais de 65 anos. A internação é necessária nos casos de pacientes idosos, principalmente se tiver comorbidades (problemas cardíacos, renais, diabetes, entre outras doenças); pacientes com sinais de insuficiência respiratória aguda (oxigenação baixa, uso de musculatura respiratória acessória, falta de ar importante); pacientes com doenças pulmonares crônicas (bronquite crônica, enfisema, asma, fibrose pulmonar) graves ou que recebem terapias que diminuem a imunidade (transplantados, por exemplo). Segundo o especialista, toda pneumonia deve ser tratada o quanto antes e dificilmente será resolvida sem uso do antibiótico adequado. "Em casos mais graves, principalmente nos paciente com maior risco, pode haver necessidade de entubação orotraqueal e uso de ventilação mecânica. também pode haver choque séptico. assim, qualquer suspeita de pneumonia deve ser avaliada pelo médico para poder ser instituído o tratamento adequado."

Nenhum comentário:

Postar um comentário