domingo, 29 de junho de 2014

Despejados para obras da Copa, pernambucanos cobram indenização

Não há bandeiras do Brasil nas casas que sobraram no Loteamento São Francisco do Timbi, em Camaragibe, uma das áreas que foi alvo de sucessivos despejos devido a obras da Copa do Mundo no Grande Recife. Só um outdoor e ônibus lotados de torcedores, que passam com destino à Arena Pernambuco em dias de jogos, lembram que o evento ocorre perto dali. Famílias da região perderam seus imóveis para possibilitar a passagem dos ônibus BRTs [Bus Rapid Transit] e acesso ao Terminal Integrado [TI] Camaragibe, que ainda não foi feito. A expansão do TI, que também estava programada, nem sequer foi licitada. O processo, conduzido pelo governo estadual, foi criticado por entidades sociais. No loteamento, 9,17% das famílias não receberam a indenização. Neste domingo (29), o estado recebe o último jogo do Mundial e área, que sofreu desapropriações, está vazia e vira um verdadeiro lamaçal em dias de chuva. Era nessa região que morava há 35 anos a aposentada Aurenir da Costa, 75 anos. Perto da antiga residência tinha a igreja, o frigorífico, o posto de saúde, a barraca de fruta que frequentava, além de um ponto do ônibus.
O filho desempregado usou parte do terreno para montar uma sorveteria, que depois virou uma padaria. Ela conta que chegou a participar de uma reunião onde foi avisada sobre o despejo, mas afirma que a data não ficou acertada.
"No fim de 2013, chegaram dizendo para eu fazer o possível e impossível para sair de casa em três dias. Consegui alugar uma casa e, até agora, recebi 80% da indenização. Com esse dinheiro, só consegui comprar um lugarzinho para o meu filho. Passei a tomar remédios contra depressão por causa disso tudo que estou vivendo, e as obras nem terminaram. Meus netos querem nem saber da Copa", lamenta. A Secretaria das Cidades informou que a área passou por uma adequação para possibilitar o tráfego de veículos. "Futuramente, algumas mudanças serão realizadas, como a construção de duas faixas, ligando o acesso do Ramal da Copa ao TI Camaragibe. Até o final do ano, as mudanças acontecerão", explia a Secretaria em nota. O órgão também garantiu que pretende iniciar as obras de expansão do TI Camaragibe ainda este ano. Próximo ao Loteamento São Francisco do Timbi, outras famílias foram despejadas para obras do Corredor Leste-Oeste e do Ramal da Copa, entregues incompletos dias antes do início da competição. O coordenador de montagem Marcos Santos, 38 anos, perdeu metade do terreno de um hectare (tamanho de um campo de futebol), onde "nasceu e se criou", para abrir caminho ao Ramal da Copa, em Camaragibe, e até a última sexta (27) não tinha recebido nenhuma parcela da indenização.

Nenhum comentário:

Postar um comentário