sexta-feira, 30 de maio de 2014

CPI Mista da Petrobras

Senador Vital do Rêgo (PMDB-PB) também é o presidente da CPI mista na Câmara Federal, para apurar irregularidades na Petrobras. Como sempre o governo mostra que não tem escrúpulo diante do Brasil ao indicar o senador.

E como sói acontecer, as figuras são sempre as mesmas para dificultar as apurações. E quem perde é a imagem de um Congresso relapso, respeitadas as exceções existentes, onde são indicados políticos que não têm compromisso com a moralidade pública para presidir e relatar as CPIs. 

Ora, o senador já preside no interesse do governo a CPI da Petrobras no Senado e agora também a CPI mista na Câmara Federal? Ademais ainda indica como relator o petista gaúcho Marco Maia, que não tem seriedade, pois já deveria ter sido cassado por seus envolvimentos irregulares ao usar avião de empresa de plano de saúde para assistir a jogo da seleção brasileira e visitar as suas bases políticas no RS, bem como ter viajado com o seu filho para assistir ao jogo do Barcelona e Real Madrid na Espanha, como se estivesse em missão oficial.

Com esse naipe de políticos desbragados, as irregularidades praticadas por parlamentares e agentes públicos deixam de ser apuradas com a seriedade devida, lamentavelmente.

Vejam, por ocasião da presença do ex-presidente da Petrobras, Sérgio Gabrielli, na CPI do Senado, esse cidadão mentiu deslavadamente ao inocentar a presidente Dilma Rousseff de seu envolvimento no caso da refinaria Pasadena. Ocorre que estão registradas na mídia e gravadas suas declarações responsabilizando também a presidente da República.

No entanto, o senador Vital do Rêgo não teve coragem republicana de contrariar as declarações falaciosas do senhor Gabrielli. Por que não o fez? Porque ele faz parte do PMDB podre – capacho do PT- que se beneficia do loteamento dos cargos públicos do governo. Triste país de políticos oportunistas que só querem levar vantagem.
Júlio César Cardoso / Bacharel em Direito e servidor federal aposentado / Balneário Camboriú-SC

Nenhum comentário:

Postar um comentário