sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Despesas do Governo Central sobem mais que as receitas


Os dados divulgados nesta quinta-feira (27/09) pelo Tesouro Nacional mostra que as despesas do Governo Central (Tesouro, Previdência e Banco Central) de janeiro a agosto estão em ritmo bem maior de crescimento do que as receitas. Enquanto as despesas tiveram alta de 12,2%, as receitas apresentaram no mesmo período uma expansão de 7,2%. As receitas totais do Governo Central de janeiro a agosto somaram R$ 691,87 bilhões, segundo o Tesouro, e as despesas totalizaram R$ 518,533 bilhões.
Os números mostram também uma desaceleração do ritmo de crescimento dos gastos com investimentos, apesar da cobrança da presidente Dilma Rousseff de dar maior dinamismo a esses gastos. De janeiro a agosto, as despesas com investimentos totais do Governo Central somaram R$ 42,9 bilhões, com crescimento de 29,1% em relação ao mesmo período do ano passado. Neste ano até julho, essas despesas cresciam ao ritmo de 29,4%.
Do total de despesas pagas, R$ 29,673 bilhões referem-se a gastos com restos a pagar (despesas transferidas de um ano para o outro). Já as despesas pagas dentro do orçamento deste ano somaram R$ 12,788 bilhões.

As despesas do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) também apresentaram desaceleração. Até agosto, registram crescimento de 33,5%, atingindo R$ 22,3 bilhões. Até a julho, essas despesas apresentavam crescimento de 36,3%.

O superávit do Tesouro Nacional em agosto (R$ 1,583 bilhão) foi reforçado por um repasse de dividendos de empresas estatais à União no valor de R$ 5,828 bilhões. Segundo dados divulgados pelo Ministério da Fazenda, esse valor é 149,1% maior do que o montante das receitas com dividendos em julho, que foi de R$ 2,339 bilhões. No acumulado de janeiro a agosto, o pagamento de dividendos à União já soma R$ 16,125 bilhões, 26,7% a mais que nos primeiros oito meses de 2011.
Se não fosse o recebimento de dividendos em agosto, o Governo Central teria registrado no mês passado um déficit de R$ 4,245 bilhões. O governo recebeu também R$ 210,8 milhões de pagamento de concessões.
O superávit primário acumulado de janeiro a agosto de R$ 53,493 bilhões superou em 16,3% a meta do governo para o segundo quadrimestre, que era de R$ 45,9 bilhões. O resultado de hoje ainda não considera o resultado primário do setor público consolidado, que engloba também os dados de Estados, municípios e estatais a ser divulgado nesta sexta-feira pelo Banco Central. A meta de superávit do governo central para todo o ano de 2012 é de R$ 96,973 bilhões. *Com informações da Agência Estado-por ÉPOCA NEGÓCIOS ONLINE

Nenhum comentário:

Postar um comentário