quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Candidato imposto por Lula, em Recife, despenca nas pesquisas


Pela atual pesquisa IBOPE Geraldo Júlio (foto) ganharia no 1º turno

Após enfrentar a maior crise da História do partido em Pernambuco, o PT corre o risco de naufragar na sucessão em Recife, depois de controlar por 12 anos a prefeitura. A última pesquisa divulgada na noite de domingo pelo Ibope revela que, se a eleição fosse hoje, o senador Humberto Costa não chegaria ao segundo turno. O candidato está em queda acentuada nas pesquisas de intenção de voto e já foi ultrapassado até mesmo pelo deputado estadual Daniel Coelho (PSDB), ficando em terceiro no último levantamento.
O candidato do PSB, Geraldo Júlio, é o que apresenta maior ascensão. Com um cabo eleitoral de peso - o governador Eduardo Campos -, ele já subiu 34 pontos, saindo de cinco, no dia 16 de julho, para uma liderança de 39%, no último levantamento. Já Humberto Costa caiu da liderança - pontuou 40 na primeira rodada - para 16%, uma queda de 24 pontos percentuais.
Daniel Coelho - ex-PV, filiado atualmente ao PSDB, mas que ainda adota a cor do antigo partido - tem se revelado a surpresa da campanha. Sem lançar mão do apoio dos caciques tucanos, ele ascendeu 15 pontos, chegou a 24% das intenções de voto e tem hoje a menor rejeição: 12%.
A pesquisa ouviu 1.106 pessoas, entre 20 e 22 de setembro, e foi encomendada pela TV Globo e pelo jornal "Folha de Pernambuco". Foi registrada no TRE sob o número PE-00139-2012.
Dilma não cita candidato na tv
A dança dos números não surpreendeu o cientista político Adriano Oliveira, da Universidade Federal de Pernambuco, que tem várias pesquisas sobre comportamento do eleitor.
- A pergunta que fica é se o petismo realmente existe no eleitorado recifense ou se ele era conjuntural, por conta do ex-presidente Lula e do ex-prefeito João Paulo. Nós tínhamos no partido a presença marcante dos dois, que são duas lideranças carismáticas, com gestões bem avaliadas pela população - disse Oliveira.
Sem esconder as mágoas, o prefeito João da Costa, impedido de disputar a reeleição pela Direção Nacional do PT, não participa da campanha do senador e também não é citado nominalmente na propaganda eleitoral. Com o lançamento de candidatura própria, o PSB rompeu com o PT.
Além das visíveis rachaduras no PT - a indicação de Humberto foi traumática -, o partido não contou com o cumprimento de promessa que vinha fazendo desde o início da campanha: trazer o ex-presidente Lula para o palanque. Lula não só não veio, como faz o mesmo discurso do início da programação eleitoral gratuita. E a imagem da presidente Dilma vem sendo utilizada, mas não fala especificamente no nome de Humberto. Sem fatos novos, a campanha do PT começou a esvaziar. *Texto por Letícia Lins

Nenhum comentário:

Postar um comentário