sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Lewandowski e o suicídio biográfico


Durante intervalo na sessão de ontem do Supremo Tribunal Federal, um dos seus mais importantes ministros não precisou recorrer a expressões tão líricas quanto firmes, que usa em suas intervenções, para definir o papel do colega Ricardo Lewandowski, ministro revisor que tentou absolver acusados do mensalão. “Ele cometeu um harakiri biográfico”, disse a um colega, com seu acentuado sotaque regional. Chamam de harakiri um ritual de suicídio de samurais japoneses
  O revisor Lewandowski segurou o processo por mais de 170 dias, um recorde, e tentou convencer o presidente do STF a adiar o julgamento.
 A função de revisor, meramente técnica, era quase desconhecida, mas Lewandowski tentou torná-la mais importante que a de relator.
 Nos primeiros momentos do julgamento, Lewandowski ocupou mais tempo, com seus demorados votos, que o relator Joaquim Barbosa.
 Lewandowski deixou o STF chocado ao sacar um longo voto por escrito após Márcio Thomaz Bastos “improvisar” uma questão de ordem. INFORMAÇÕES DO BLOG DE CLAUDIO HUMBERTO.

Nenhum comentário:

Postar um comentário